And so it starts…

Por que queremos tão intensamente nos transformar em memória? Mesmo enquanto estamos vivos. Nós desejamos afirmar nossa existência, como cães fazendo xixi em hidrantes. Nós expomos nossas fotos emolduradas, nossos diplomas em pergaminho, nossas taças banhadas a prata; fazemos monogramas nos lençóis, esculpimos nossos nomes em árvores, os rabiscamos nas paredes de banheiros. É sempre o mesmo impulso. O que esperamos ganhar com isso? Aplausos, inveja, respeito? Ou simplesmente atenção, de qualquer forma possível? No mínimo queremos uma testemunha. Não conseguimos suportar a ideia de nossas próprias vozes finalmente se silenciando, como um rádio pifando. Margareth Atwood – O assassino cego

 

Um comentário em “And so it starts…

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: